Um dia, quem sabe
Sento ao seu lado no coletivo
Tinha outras poltronas livres
Mas escolho essa
Quero o cheiro do banho matutino
E seu desagrado e desconforto
Baunilha e chocolate
O céu em choque
Quem sabe nunca será dia
Ela resgatará o ex do crack
E engravidará do chefe de polícia
Que colocou seu namorado no seguro
Na cadeia de outra cidade
Desço antes que todos na parada
O jardineiro, boa pessoa
Contorna as fezes duras
Com o cortador de grama
Fazendo uma bela escultura
De um autor sem espécie
Mais tarde irá tentar sacar a grana
Bloqueará o cartão
Pensando que sua senha, era o dia de seu casamento
E na verdade é, mas a data outra
Passo em frente a biblioteca
Fechada
Inúmeras cabeças coloridas aguardam
O ranger da fechadura
A funcionária não sabe ler
Mas decorou o desenho das 48 chaves
Teve uma noite péssima
O personagem favorito morreu na novela
O pianista, que no capítulo anterior
Dedicou sua música
Para o deficiente paraolímpico
A noite não foi péssima por isso
Não dormiu direito
Porque a marmita do outro dia
Aumentaria R$ 0,50
Um dia, quem sabe
Quem sabe um dia
Eu descreva realmente
Como são minhas manhãs
Das 7:53
Até 8:14

Um comentário sobre “

  1. Uau!

    Já me vi em suas manhãs,
    sentando-me ao lado de um alguém.
    Banho tomado, cheiroso e bem vestido.
    Antipático, virou o rosto para não me ver…
    Afastou-se um pouco, grudando na parede
    do ônibus seu corpo. Inútil.
    Porque isso?
    Porque, não sou aquela linda morena de cabelos
    compridos, corpo curvilíneo, de unhas bem feitas,
    vestido curtinho…
    Levanto-me e fico em pé, sentindo-me superior.
    Senta-se ao lado dele, um homem enorme e gordo,
    cheirando a suor, cigarro e chulé…Bem feito!

    Abraços

Os comentários estão desativados.