Contrapartida

O chacoalhar
Cantos
Vento, vento
Som dos gatos rolando
Nas telhas soltas
Em brigas noturnas
Uivos
Jovens de bigode
Leões de bolso
Cantos, uivos
Tenho cintos e discos
Posso abrir meu guarda-roupa agora
E encontrar três gerações de baratas
Sou um coito coitado
Um tipo ejaculado na boca do jacaré
Soluços e coceira
Prisões fazem homens chorar
A bebida também
E os crocodilos choram com água na boca
E as mulheres porque soluçam e se coçam
Mais que um bêbado na feira de pulgas
Todos riem, riem, riem
Riem do pobre doido das calças curtas
Que aqui e acolá, transborda em instantes viúvos
Quando a poeira vortex gruda em seu corpo úmido
Imagina o deserto repleto de criaturinhas deficientes
Feitas de suspiro
Aquela mancha pastosa transforma-se em tempestade
Todos riem, riem, riem
Famigerado pela fome alheia, ele suspeita
Trata piedade como troco pra cachorro
E dança tango de chinelo