Devaneio

Sentado e sozinho
Em um banco de madeira
Ao  lado da porta que entro todos os dias ou quase
Para trabalhar
Ouço passos se arrastando por perto
Oito horas da manhã
Nem olho, somente respiro fundo
Na minha cabeça é só mais um
Vai entrar e sumir pelo bem de todos
Mas desta vez os pés tinham voz
Oi. Lembra de mim?
Com muito desgosto pela intromissão eu viro a cabeça
É uma ruiva, ou um protótipo de uma
Não, eu digo
Não lembra de mim? Vou trabalhar aqui
Parabéns
Fui na sua casa há cinco, seis anos atrás
Parabéns
Deve ser porque emagreci 20 quilos e pintei os cabelos
Está ótima
Você continua igual
Dei sorte
Seu nome é Ramon, não é?!
Ainda igual
Mora no mesmo lugar?
Não exatamente
Vai fazer o que hoje a noite?
Sentarei sozinho em algum lugar
Quer companhia?
Não, prefiro que as pessoas desapareçam com o Sol
Posso sentar um minutinho aqui com você?
Claro
Ela sentou cruzando as pernas
Já chupei você
Aé??? Indaguei sem tentar ligar a memória
Ahaaaaaam
Hum….Bem….Obrigado
Não precisa agradecer, foi um prazer
Ótimo
Suas bolas são tão pequeninas, fofinhas
Esse é um grande elogio
Verdade, nunca vi bolas iguais as suas
Estão em extinção
Vou trabalhar de recepcionista
Muito digno
O que você faz aqui?
Ultimamente só fumo e bebo café
Engraçado
Mais que o normal
Aí pelas nove posso te chupar no banheiro
Escutei a porta batendo forte
Saí do transe
Eu continuava falando sozinho
E sentado
Sem intimidade até fora de mim

Um comentário sobre “Devaneio

Os comentários estão desativados.