Vinho

Três garrafas de campo largo seco
E minha língua geométrica parece um tratado
Já fui melhor quando bebia cinco
Sem um mapa do tesouro
Permaneço como a água da chuva
Sempre pra baixo ou escorrendo
Pra baixo
A peneira de corpos sempre vazia
O funil de corpos largo demais
Insetos estranhos sob goteiras
Tortos como a sombra de um porco
Estarão mortos amanhã
Cadáveres entre as cinzas
De uma noite chuvosa
Que nunca acaba